top of page

Cientistas revivem vírus de 48.500 anos congelado no permafrost


Cientistas revivem vírus de 48.500 anos congelado no permafrost

© Solo de permafrost no Alasca: mudanças climáticas também podem representar risco à saúde. Crédito: Nasa/JPL-Caltech/Charles Miller

Uma equipe internacional de cientistas reviveu diversos vírus antigos que estavam bloqueados profundamente no permafrost da Sibéria desde a Idade do Gelo. A equipe acredita que vale a pena investigar esse quadro quando consideramos os perigos crescentes do degelo do permafrost e das mudanças climáticas. O artigo sobre seu estudo foi publicado recentemente, ainda sem revisão por pares, no servidor de pré-impressão bioRxiv.

No texto, os pesquisadores explicam como identificaram e reviveram 13 vírus pertencentes a cinco classes diferentes de amostras coletadas no gelado extremo leste da Rússia. (O projeto vem de uma equipe de pesquisadores da Universidade Aix-Marseille, na França, que em 2014 ressuscitou um vírus de 30 mil anos encontrado no permafrost da Sibéria.) Um dos microrganismos revividos de uma amostra de permafrost tinha cerca de 48.500 anos, o que o torna o vírus mais antigo já revivido até hoje. “48.500 anos é um recorde mundial”, declarou Jean-Michel Claverie, um dos autores do artigo e professor de genômica e bioinformática na Escola de Medicina da Universidade Aix-Marseille, à revista New Scientist.


Outros três vírus até então desconhecidos foram reavivados de uma amostra de 27 mil anos de fezes de mamute congeladas e de um pedaço de permafrost recheado com uma grande quantidade de lã de mamute. Eles foram denominados Pithovirus mammoth, Pandoravirus mammoth e Megavirus mammoth. E mais dois novos vírus foram encontrados no estômago congelado de um lobo siberiano (Canis lupus): Pacmanvirus lupus e Pandoravirus lupus.


Risco futuro

Por enquanto se sabe que esses vírus infectam amebas (parasitas unicelulares), mas experimentos indicam que eles ainda conservam potencial para ser patógenos infecciosos. Os vírus introduzidos em uma cultura de amebas vivas pelos pesquisadores mostraram que ainda eram capazes de invadir uma célula e se replicar.


Segundo os pesquisadores, o aumento das temperaturas devido às mudanças climáticas provavelmente despertará muitas ameaças microbianas, incluindo vírus patogênicos, do passado remoto. “Como infelizmente bem documentado por pandemias recentes (e em andamento), cada novo vírus, mesmo relacionado a famílias conhecidas, quase sempre requer o desenvolvimento de respostas médicas altamente específicas, como novos antivirais ou vacinas”, escrevem eles no artigo. “Não há equivalente a ‘antibióticos de amplo espectro’ contra vírus, devido à falta de processos drogáveis ​​universalmente conservados nas diferentes famílias virais. Portanto, é legítimo ponderar sobre o risco de partículas virais antigas permanecerem infecciosas e voltarem à circulação pelo degelo de antigas camadas de permafrost.”

0 visualizaciones0 comentarios
bottom of page